Usar Ácidos sempre Beneficia ou Prejudica a pele



AHAs e a pele




            Os alfa hidroxi ácidos (AHAs), apesar de serem todos ácidos carboxílicos orgânicos, possuem diferentes propriedades e diferentes pesos moleculares. O peso molecular interfere em características como: ser ou não ser solúvel em água, penetrar mais ou menos profundamente na pele (DITRE, C. em DRAELOS, Z., 2005)

No caso do Blend AHAs, os ácidos da formulação se completam em funções, de acordo com suas características:

            Ácido Glicólico – é a molécula mais simples dos AHAs, apresenta dois carbonos, possui o menor peso molecular, é hidrossolúvel. Este ácido possui efeito anti-inflamatório, queratolítico e antioxidante. O Ácido Glicólico diminui a coesão celular (SHARAD, J, 2013).

            Ácido Mandélico – sua molécula é maior e possui uma maior ação acidificante do que a do ácido glicólico. É parcialmente solúvel em água e considerado lipossolúvel. Não promove irritação da pele e possui ótima ação como clareador de manchas. Atua também como agente bactericida, tendo resultados muito bons em tratamentos de acne. Melhora a textura da pele. (TAYLOR, M.B., 1999).

            Ácido Málico – possui quatro carbonos em sua molécula, sendo portanto maior do que o glicólico e o mandélico. É hidrossolúvel. É uma molécula que promove a emoliência da pele e melhoria das características como textura e firmeza (CIR, 2012).

            Ácido Kójico – é um potente agente despigmentante, muito usado na Ásia, é usado em conjunto com outros AHAs para contribuir no processo de clareamento da pele (DRAELOS, 2005).

Estudos comprovam os benefícios destes agentes ácidos, ora potencializando a ação um do outro, ora proporcionando melhor penetração dos ativos. A combinação entre Ácido Kójico e Ácido Glicólico tem demonstrado melhor performance no quesito de clareamento de manchas, do que seu uso em separado, conforme descreve SARKAR et al (2013).

Esta combinação de ações das diferentes moléculas proporcionam a redução da espessura do estrato córneo, com epidermólise e esfoliação da pele e com o benefício da hidratação, que parece ocorrer pelos AHAs estimularem o aumento do conteúdo de glicosaminoglicanos da derme (DRAELOS, 2005)
A escolha das moléculas de AHAs mais indicadas para os efeitos de clareamento, redução de linhas de expressão, melhoria da textura e firmeza da pele, aumento de hidratação, minimizando os efeitos de vermelhidão e irritação, é uma atitude que requer conhecimento, e a ciência está aí para nos ajudar.

Referencia Bibliográficas

CIR. Cosmetic Ingredient Review Safety Assessment of Dialkyl Malates.as Used in Cosmetics. Disponível em: < http://www.cir-safety.org/sites/default/files/Malate092012rep.pdf>
DRAELOS, Z. Cosmecêuticos. Rio de Janeiro, Elsevier, 2005.
SHARAD, J. Glycolic acid peel therapy: a current review. Clinical, Cosmetic and Investigational Dermatology, v.6, p.281-288, 2013

SAKAR, R. et al. Cosmeceuticals for Hyperpigmentation: What is Available? Journal of Cutaneous and Aesthetic Surgery, v.6, n.1, p.4-11, 2013


TAYLOR, M.B.Summary of mandelic acid for the improvement of skin conditions. Cosmetic Dermatology, june, 1999.
Compartilhar Google Plus

Autor Lucienne Souza

Esta é uma breve descrição no bloco de autor sobre o autor. Editá-lo so no html.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial